Após toda poeira União Europeia mostra cara e fazendo pedidos ao Teerão

Após toda poeira União Europeia mostra cara e fazendo pedidos ao Teerão

Se vamos pela economia e estratégias políticas, alguns líderes sabem fazê-lo muito bem. O caso conccreto é da diplomacia europeia que deixou a guerra começar, pessoas morrerem, se acusarem e agora vir a público pedir ajuda os sofredores ou seja as vítimas.

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, disse este sábado que a União Europeia “reconhece” a assunção de responsabilidades do Irão no derrube do avião civil ucraniano na passada quarta-feira, pedindo a Teerão uma “total cooperação”.

“A UE reconhece as declarações feitas pelas autoridades iranianas nas quais se assumem responsáveis pelo incidente do voo PS752 da Ukraine International Airlines (UIA)”, indicou um porta-voz do Alto Representante para Política Externa da UE, num comunicado.
A mesma nota informativa acrescentou que a UE espera, e perante os compromissos assumidos pelo Presidente iraniano Hassan Rohani, que “o Irão continue a cooperar totalmente” e “realize uma investigação integral e transparente” sobre este caso, processo esse que “deve cumprir os padrões internacionais”.
“Devem ser tomadas medidas apropriadas para garantir que um acidente tão horrível não volte nunca mais a acontecer”, frisou o comunicado, que ainda lamenta a morte “de tantas pessoas de diferentes países” e reitera as “sinceras condolências” às famílias das vítimas.
Um Boeing 737 da companhia aérea privada ucraniana UIA despenhou-se na quarta-feira perto da capital do Irão, Teerão, provocando a morte de todas as 176 pessoas que seguiam a bordo.
A maioria das vítimas tinha nacionalidade iraniana e canadiana, mas também estavam a bordo cidadãos da Ucrânia, Suécia, Afeganistão, Alemanha e do Reino Unido.
O Irão admitiu hoje responsabilidades no derrube do aparelho, tendo informado que o avião civil ucraniano tinha sido abatido inadvertidamente por militares iranianos que o confundiram com um míssil de cruzeiro devido ao estado de alerta decretado por causa da recente escalada de tensão entre Washington e Teerão.
A declaração de Teerão surge depois de informações avançadas por alguns países, nomeadamente os Estados Unidos e o Canadá, terem indicado, na quinta-feira, que o aparelho poderia ter sido abatido, inadvertidamente, pelo sistema de defesa antiaéreo iraniano.
Na sexta-feira, os ministros dos Negócios Estrangeiros da UE, numa reunião extraordinária em Bruxelas convocada para analisar a escalada das tensões no Médio Oriente, não conseguiram alcançar uma posição unânime em relação ao caso do Boeing 737.
495
%d blogueiros gostam disto: