Género

ATAQUES EM CABO DELGADO: SILÊNCIO DE FILIPE NYUSI GERA REVOLTA ORGANIZAÇÕES FEMINISTAS MOÇAMBICANAS

ATAQUES EM CABO DELGADO:

SILÊNCIO DE FILIPE NYUSI GERA REVOLTA ORGANIZAÇÕES FEMINISTAS MOÇAMBICANAS

 

A SOCIEDADE civil moçambicana, está de costa voltadas com o Presidente da República e com o Ministério do Género, Criança e Acção Social devido ao silêncio sobre os ataques terroristas que afecta a província de Cabo Delgado onde mais da metade da população daquela província está deslocada e sem abrigo.

Uma carta de reivindicação e negação à celebração do dia 7 de Abril “Dia da mulher moçambicana”, foi lançado à imprensa nesta quarta-feira, citando motivos que evidenciam a negação das Mulheres Jovens Líderes a não olhar as celebrações da efeméride feminina enquanto outra parte da sociedade moçambicana está fragilizada com os ataques que agudizaram-se na última semana de Março e primeira de Abril em Palma, deslocando várias pessoas e obrigando a empresa Total a evacuar seus funcionários para zonas seguras.

A Associação Mulheres Jovens Líderes cita relatórios da Conta Geral do Estado, os balanços governamentais e os informes sectoriais que não provém informação de direito público transversalizada na óptica de género e nem desagregam dados para demonstrar como as realidades têm impactado de forma diferenciada sobre mulheres e homens e, muito menos esclarecem quantas mulheres beneficiaram dos fundos de resposta ao covid e de assistência aos deslocados nas regiões centro e Norte de Moçambique.

A organização Juvenil feminina lembra com dor Rosa Cukwua e sua companheira

barbaramente assassinadas nos finais de 2020 nas imediações da residência do director do SERNIC em Lichinga e que nunca as autoridades se dignaram em prestar qualquer esclarecimento, relegando a sua sorte as mulheres activistas políticas e defensoras dos direitos humanos.

Para além destes episódios descritos pela organização Mulheres Jovens Líderes, no documento contam algumas denúncias como é o caso de “Milhares de mulheres professoras principalmente do ensino primário que duplicaram o número de horas laborais em 2021 sem reforço no subsídio ou em mecanismos de prevenção da infecção pela covid-19 quando parte significativa das escolas continuam sem acesso a água segura e potável”, avança a associação.

Agostinho Julião Muchave

Agostinho Julião Muchave ou simplesmente Agostinho Muchave, é um cidadão moçambicano, nascido em Massinga, Inhambane, a 13 de Novembro de 1986. Muchave, cresceu em Maputo cidade e província onde chegou nos princípios de 1988 com sua família que fugia da pobreza absoluta e dos conflitos militares que assolavam aquela região da zona sul do país. Em Maputo, Agostinho Muchave, teria encontrado refúgio junto de sua família com apoio de alguns conhecidos de seu pai(Julião Nhiuane Gemo Muchave), após residir na residência de seus avós maternos na cidade de Maputo(Alto-Maé), por mais de 4 anos. Muchave apesar de ter nascido no meio à guerra de desestabilização do país provocada pela Renamo, conseguiu sobreviver e como muitos jovens tem muito por contar. Muchave, diferente de muitas crianças da época, só conseguiu estudar numa escola oficial aos 10 anos, fazendo a 1ª classe. Aliás no mesmo ano em que o mesmo entra para escola, faz duas classes sendo uma por cada semestre chegando ao ano de 1997 já na terceira classe. “Frequentei aquelas duas classes no mesmo ano porque a escola estava a fazer experiência, sendo que eramos os alunos de primeira via e com idade muito superior, viu-se a instituição puxar-nos e também experimentar outro nível pois era uma escola da igreja Católica”, conta. Muchave, fez o seu ensino primário em diversas escolas devido a falta de vagas na altura para estudar numa escola pública, mas em 1999 consegue a proeza e em 2003 entra para o ensino técnico profissional, fazendo seu nível técnico em serralharia Mecânica no Instituto Industrial e Comercial da Matola, donde só saiu nos finais de 2006. Frustrado em 2007 por não ter conseguido fazer o curso de professor devido a falta de fundos, Muchave decide ir atrás do seu sonho de Adolescência, “fazer rádio”. Ainda no ano de 2007, Agostinho Muchave acompanhado do seu amigo e vizinho Nélio Nairrimo, saem com destino a Rádio Trans Mundial, onde vieram a conseguir vaga para aprender e estagiar em matérias de Jornalismo Básico, Edição e Produção bem como apresentação de programas e radionovelas. A experiência foi muito boa até que em agosto de 2008 Agostinho Muchave, sai junto do seu amigo da Rádio Trans Mundial e abraçam a recém formada Rádio Cidadania(100.9FM). Naquela rádio cruzam com o gestor da mesma João da Silva Matola, que em troca de produzirem Gingles da Rádio e Publicidades, continuam sua carreira como parceiros e colaboradores da mesma. A parceira só viria a durar 4 meses, sendo em 2009, Agostinho Muchave decide abraçar uma nova área profissional, passando a trabalhar como assistente de contabilidade e estafeta de uma empresa sedeada aqui em Maputo, pertencente a uma família indiana. Agostinho Muchave, trabalhou por 6 meses e o bicho de rádio tomou conta dele que dispensava algum tempo para continuar a gravar radionovelas na Rádio Cidadania isso ainda em 2009. Mesmo fascinado em ganhar dinheiro, Muchave decide em 2011 após uma série de eventos insatisfatórios abraçar a comunicação como seu único meio até que Deus o tenha. No ano 2011 em Agosto, Muchave volta a Rádio Cidadania, esta que já estava num endereço novo além do da Marien Ngoabi, e por lá fica Chefe do Departamento de Marketing e Publicidade e daí continua a produção de programas, bem como auxiliando o seu companheiro de trincheira Nélio Nairrimo na área técnica. Agostinho Muchave, curioso e criativo, começou seu interesse pela Electrotecnia, chegando a fazer formação Online na matéria, com tutores do Brasil em Diagnóstico e Reparação de equipamentos informáticos. Agostinho Muchave, para além de ser responsável de Marketing e Publicidade na Rádio, colaborou também para a Associação Moçambicana para Promoção da Cidadania que é proprietária da Rádio Cidadania como assistente de Comunicação e Imagem durante 2 anos. Agostinho Muchave para de Ser Jornalista é produtor de programas de rádio, música, roteirista de radionovelas, trabalho que o faz profissionalmente desde 2014. Agostinho Mcuchave após seu percurso com ONG´s e rádios, em Maio de 2013 entrou para a Rádio Voz Coop, a qual é colaborador até a data actual. No meio deste percurso de Rádio Jornalista, formado no nível Médio, fez uma formação em Finanças Públicas, Contabilidade Geral e Financeira, Género e Mulher, WebDesigner, Indesigner, Gestor de Redes Sociais e Criador de Aplicativos usando várias linguagens informáticas e softwares, tendo criado várias rádios online de Moçambique e Websites de diversas instituições e respectivas redes sociais, engajadas e em funcionamento. Devido a sua peculiar curiosidade pela Tecnologia, Agostinho Muchave, está neste momento a desenhar uma rede social aliada o novo projecto em busca de financiamento denominado Visão Novo Moçambique Tv & Rádio. No recente projecto, o jovem comunicador busca a popularização da liberdade de opinião e imprensa através da internet num país onde as políticas ainda se negam a oficializar os canais de rádio e tv bem como jornais pela internet, “negando assim a liberdade de imprensa e expressão como se pretende no país”. “A tomada de qualquer decisão sobre as políticas e o futuro de cada cidadão devem ser feitos de maneira informada e com conhecimento de causa e consequências. Isso eu chamo de liberdade de escolha. E não o que vivemos em que alguém comenta e é alvo de perseguição ou mesmo morto”, realça o Jornalista. Agostinho Muchave é responsável desde 2018 pela execução e realização do Jornal Visão, uma entidade registada em Moçambique em nome de Cátia Mondlane, que viu o empenho do jovem e o entregou para a gestão aquele órgão de informação. Muchave, já colaborou com várias instituições públicas e privadas e continua fazendo esse trabalho na área de design e formação em matérias de comunicação e jornalismo como é o caso do Instituto Superior Gwaza Muthini, Ministério do Interior(Relações Públicas) e diversos jornais como GENERUS, NÓS, Visão, GWAZANEWS, BOLETINS DAS DIRECÇÔES PROVINCIAIS DE SAÚDE e com outras ONG´s como é o caso do CIP, REDE DA CRIANÇA, Associação dos Defensores dos Direitos da Criança, Óptica Vista Alegre, Southland Waters e muio mais. Não pode caber em dez parágrafos a história e percurso de um homem cuja capacidade é inestimável e o conhecimento é vasto.

Recent Posts

O  Barcelona está por um fio na liga Europa

O  Barcelona está por um fio na liga Europa. Se não ganhar o último confronto…

8 horas ago

Empresários Europeus já investiram mais de 60 biliões de dólares em Moçambique

Países como Portugal, Espanha, Itália, Irlanda, Suécia, França e Finlândia, figuram como os que mais…

5 dias ago

A partir de Moçambique: GALP reforça o fornecimento Gás de Petróleo Liquefeito na SADC

Esta garantia surge do investimento feito pela GALP Moçambique num montante de 12 milhões de…

5 dias ago

PARA NÃO FICAR NA SOLIDÃO no fim do mandato na FEMATRO: Castigo Nhamane e seus comparsas surripiam presídio da COOPTRAB

O actual Presidente da Federação Moçambicana das Associações dos Transportadores Rodoviários(FEMATRO), Castigo Nhamane junto do…

5 dias ago

Polícias Guineenses recebem formação da INTERPOL em combate ao tráfico de armas de fogo e crimes associados

Realiza-se, entre os dias 24 e 26 de Novembro, em Bissau, o Curso de Formação…

7 dias ago

NA ZAMBÉZIA: Inaugurado Gabinete Central de Combate a Corrupção

A infra-estrutura foi Inaugurada pela Secretária de Estado, Judith Mussácula, nesta terça-feira, 23, na capital…

1 semana ago