Cooperativismo no Vietname inspira Moçambique

Uma delegação multissectorial moçambicana, composta por representantes do Ministério da Indústria e Comércio, Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Ministério do Género, Criança e Acção Social, Autoridade Tributária, Associação Moçambicana Para Promoção do Cooperativismo, do Alto Comissariado do Canadá em Moçambique e da SOCODEVI, efectuou de 18 a 28 de Fevereiro findo, uma visita de trabalho de uma semana, ao Vietname.


A visita foi uma oportunidade para aprender com a experiência de desenvolvimento da economia cooperativa do Vietname, país que associa esse tipo de economia à inovação, integração e economia de mercado.


Embaixador saúda delegação moçambicana

A delegação moçambicana liderada pela SOCODEVI foi recebida em audiência pelo Embaixador de Moçambique no Vietname, Leonardo Pene, que encorajou a SOCODEVI pela iniciativa e instou a delegação moçambicana a replicar as boas práticas e experiências buscadas no Vietname, um país de referência na produção agrícola baseada no modelo cooperativo.
Por seu turno, a representante da SOCODEVI em Moçambique e Directora do PAEF-Projecto de Empoderamento Económico das Mulheres Rurais de Moçambique, Gaby Breton, afirmou que o primeiro e mais importante passo é o processo de formulação de um plano estratégico nacional para o desenvolvimento das cooperativas e organização de uma economia colectiva.

Gaby Breton apela à união para o desenvolvimento cooperativo em Moçambique

“Deve haver uma coordenação muito forte das partes interessadas para apoiar o desenvolvimento das cooperativas em Moçambique. O segundo passo importante com um grande impacto em todas as partes interessadas é construir um plano de negócios e um plano de produção adequados, só assim as cooperativas podem encontrar mercados para sua produção e serem autossustentáveis”, acrescentou.
Ainda de acordo com Gaby Breton, o plano estratégico de desenvolvimento cooperativo precisa definir claramente os objectivos, indicadores e responsabilidades das partes interessadas. Uma visão de longo prazo também precisa ser delineada.
“Acho que é a melhor forma do sector da economia cooperativa contribuir para a economia nacional”, sublinhou.
Para o Director do Departamento de Desenvolvimento Cooperativo, no Ministério de Planejamento e Investimento do Vietname, Phung Quoc Chi, o seu país tem muitas experiências a partilhar com Moçambique.
“Uma das lições mais valiosas sobre o desenvolvimento cooperativo que quero compartilhar com Moçambique é que devemos consciencializar a sociedade, os órgãos de gestão do Estado sobre o papel das cooperativas, de modo que as pessoas percebam o importante papel das cooperativas, bem como os benefícios de ingressar em cooperativas. Assim, elas se associarão voluntariamente. Desta forma, o desenvolvimento da economia cooperativa será verdadeiramente sustentável e eficaz”.


Forte colaboração entre Governo e cooperativas no Vietname


Entretanto, o mais impressionante para a Chefe do Departamento de Programas de Desenvolvimento, Ministério de Género, Criança e Acção Social de Moçambique, Carlota Bassonga, foi constatar que há forte colaboração entre as cooperativas e o governo vietnamita.
“Há um forte compromisso do Governo. O governo mostra seu interesse no desenvolvimento do sector cooperativo por meio de diversas políticas, directrizes e orientações”.

Vietname reconhece apoio da SOCODEVI no fortalecimento de cooperativas


Para o Director do Departamento de Cooperação Económica e Desenvolvimento Rural, Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural do Vietname, Le Duc Thinh, fruto da parceira de longa data de ministérios e sectores do Vietname, a SOCODEVI fez contribuições significativas para a indústria agrícola daquele país, especialmente em áreas como organização de agricultores, desenvolvimento cooperativo e desenvolvimento do sector agro-alimentar.
“Esses esforços contribuem para assessoria política, elaboração de leis relacionadas ao desenvolvimento cooperativo e organizações de agricultores. Durante o apoio da SOCODEVI no Vietname, aprendemos com eles os métodos para construir cooperativas fortes e sustentáveis”, disse o governante vietnamita.

A confiança é fundamental entre as cooperativas e seus membros

Por seu turno, a Directora Executiva da Associação Moçambicana Para Promoção do Cooperativismo Moderno (AMPCM), Júlia Fernando, afirmou que do Vietname foi bom saber da existência de um Plano Estratégico e orçamento alocado para as cooperativas, distribuído estrategicamente em 7 Ministérios. Este é instrumento que visa criar políticas que orientem o movimento cooperativo (políticas de capacitação, legislação sobre terra, agricultura, acesso a fundos, exportação, entre outros) em que políticas garantem que as cooperativas possam desenvolver suas actividades normalmente e num ambiente favorável.
“Também ficamos satisfeitos em saber que existe a ACV- Aliança Cooperativa do Vietname, que presta o auxílio e acompanhamento necessários às cooperativas, ajudando a fortalecer o movimento cooperativo, auxiliando na superação dos problemas e dificuldades que surgem no cooperativismo”, finalizou.
Com efeito, o Director do Programa Nacional de Desenvolvimento Cooperativo da Autoridade Tributária, Edson Lifaniça, visivelmente satisfeito com a viagem de estudos ao Vietname, disse que o que mais lhe impressionou foi a solidariedade entre os membros das cooperativas visitadas. “Há confiança entre eles. Acreditamos que esta é a base para o desenvolvimento cooperativo”, declarou.
De referir que a SOCODEVI, uma Organização Não-Governamental Canadiana, foi quem liderou a visita de estudos da delegação moçambicana ao Vietname, com apoio do governo do Canadá.