Um click para o muno das notícias! » CAPA » CTA à beira da “Penhora” por dívida de 25 Milhões MT

CTA à beira da “Penhora” por dívida de 25 Milhões MT

Vista parcial da sede da Confederação das Associações Económicas de Moçambique. (Foto: D.R.)

Vista parcial da sede da Confederação das Associações Económicas de Moçambique. (Foto: D.R.)

Tribunal de Arbitragem Revela Detalhes da Dívida com Grupo C. Mondego:

“Tribunal julgou parcialmente procedente a queixa do grupo liderado por Manuel Pereira”

O CACM – Centro de Arbitragem, Conciliação e Mediação, constituído por três juízes, decidiu condenar ao pagamento de 25.186.313,50 MT(Vinte e Cinco Milhões, cento e oitenta e seis mil, trezentos e treze meticais e cinquenta centavos) referentes a capitais e juros, a Confederação das Associações Económicas de Moçambique CTA, no processo número 08/CACM/2023.

O processo ora julgado, começa em 2017, no dia 23 de Março, quando a CTA liderada por seu presidente Agostinho Vuma, segundo o documento que Jornal Visão Moçambique teve acesso, teria celebrado dois contratos de empreitada para construção de edifícios de escritórios para a confederação, nas capitais provinciais de Gaza Inhambane, sendo Xai-xai e Maxixe. Sucede, então, que, o empreiteiro, teria feito pedido de um adiantamento para a execução das obras antes da celebração dos contratos, pedindo o valor de 60% do total a CTA, com as facturas n.º 01/2027, referentes ao adiantamento de 34,31% do total de 2,500,000.00MT para a construção da “Casa do Empresário” em Inhambane no dia 10 de Fevereiro de 2017, e, a outra factura n.º 03/2017, referente também ao adiantamento de 50% do valor da empreitada de Construção da Casa do Empresário na cidade Xai-xai no valor de 3,634,175.25MT e o processo de cobranças prosseguiu, sem, no entanto, resposta positiva da CTA.


Diante do processo 08/CACM/2023, ora, julgado, a máquina Administrativa da CTA, segundo conta a nossa fonte, convocou uma reunião de emergência com os membros, para dar a conhecer que conseguiu alguém que podia dar empréstimo do valor em causa para pagar divida a construtura do grupo C. Mondego. Sucede que, segundo conta a fonte, o empresário que daria provimento ao empréstimo para o pagamento da dívida da CTA para com o grupo C. Mondego, exigiu uma garantia, a qual sugeriu a penhora da Sede Nacional da CTA.


Informações em nosso poder, apontam para um momento de “retiro” do empresário(o que pretende dar empréstimo a CTA), para reflectir sobre sua decisão de dar provimento ao pedido formulado pela maior agremiação dos empresários do sector privado em Moçambique.


Segundo o documento do Tribunal de Arbitragem, a CTA viu-se obrigada a pagar a construtura GRUPO C. MONDEGO, por cada obra, o valor em dinheiro correspondente USD 83.750(Oitenta três Mil, Setecentos e Cinquenta Dólares Americanos), pagamento que devia ser feito em meticais e calculado ao câmbio fixo de 74,36MT(Setenta e Quatro Meticais e Trinta e Seis Centavos por dólar) acrescido de IVA, onde foram estipulados juros anuais a CTA, em caso do atraso dos pagamentos.


Entretanto, a confederação das Associações Económica de Moçambique, não conseguiu cumprir com o acordo de pagamento, tendo acumulado, assim, uma dívida no valor 26.664,062MT, reportado no dia 13 de Abril de 2022.


A CTA, mesmo os escritórios, as delegações provinciais, dependeu sempre do apoio do parceiro USAID, ao que se viu motivada a construir instalações próprias, pecando por não fazer os devidos pagamentos e não ter cumprido com o celebrado contrato inicial “chave na mão”, mediante o desembolso do valor do imóvel, por via de empréstimo ou adiantamento bancário, o que não aconteceu, diz o documento.


O GRUPO construtura MONDEGO, através do seu advogado Alexandre Mazivila, verificando a situação, foi obrigada a notificar a Requerida de todos os juros até o somatório, no entanto, a CTA sempre assumiu a dívida assim como o seu cálculo, porém emitidas as facturas, a mesma não se dignou a pagar, lê se no documento na posse do Jornal Visão Moçambique.


Aliás, o Centro de Arbitragem, Conciliação e Mediação, vai mais longe, dizendo que a CTA não se pagava a dívida, não era por falta de dinheiro, mas sim por conveniência em manter a situação como este, sendo por isso que a MONDEGO, decidiu recorrer à presente instância após três sessões de mediação, sem sucesso.
A Novela começou no mandato do Rogério Manuel, tendo se alastrado com o actual elenco presidido pelo Agostinho Vuma, eleito em Maio de 2017, com 56 votos contra 50 de Quessanias Matsombe, empresário da área de hotelaria e turismo.

A CTA, conforme concluem os documentos do CACM, terá manifestado interesse de ver as obras iniciarem em Dezembro de 2016, através de um ofício datado de 30 de Novembro. Ademais, o queixoso deixou de tomar responsabilidade e seu envolvimento na empreitada desde 26 de Fevereiro de 2019, até à data da interposição do Requerimento que deu início aos autos.

Sucede, então, que mesmo passados 4 anos, a CTA, não denunciou qualquer defeito da obra(Casa do Empresário de Xai-xai), tendo, antes e pelo contrário, expressamente manifestado “profundo agradecimento por todo o incondicional apoio prestado, pelo grupo C. Mondego, para aquilo que chamou de”materialização do primeiro grande passo rumo ao nosso grande objectivo e visão institucional de erguer infraestruturas próprias da CTA em todas as capitais provinciais do país”, citação da carta de 11 de Março de 2019, pelo Tribunal.

APOIE NOSSO JORNALISMO RESPONSÁVEL, DEPOSITANDO 1 METICAL NA NOSSA CONTA EMOLA: +258 87 131 1000 — Agostinho Muchave

Jornal Visão Moçambique. 2024 © Todos os direitos reservados.