Justiça angolana vai arrestar bens de Isabel dos Santos

Justiça angolana vai arrestar bens de Isabel dos Santos

A Procuradoria-Geral da República angolana admitiu que os bens da empresária Isabel dos Santos em Portugal poderão vir a ser alvo de arresto, avança o jornal ECO.

Para já, o processo de que é alvo não inclui as participações da angolana em empresas portuguesas, como a Galp detida através da Amorim Energia e da Esperaza, o EuroBic, a Efacec e a Nos.

“Não há algo que me leve a afirmar que tenha de acontecer deste modo, mas — se houver necessidade — vamos fazer recurso dos acordos de cooperação com Portugal“, afirmou Álvaro João, porta-voz da PGR de Angola, em declarações ao mesmo jornal.

O Tribunal Providencial de Angola decretou o arresto de contas bancárias de Isabel dos Santos, do seu marido, Sindika Dokolo, e do presidente do Banco do Fomento de Angola, Mário Leite da Silva, bem como as participações da empresária e o marido no Banco BIC, na Unitel, na CONDIS e na SODIBA.

Ação principal só vai entrar em tribunal em março

A ação principal que o Estado angolano vai interpor contra Isabel dos Santos para recuperar os ativos que reclama só deverá dar entrada no tribunal em março, devido às férias judiciais, segundo fonte próxima do processo.
O despacho-sentença do Tribunal Provincial de Luanda que decretou o arresto de contas bancárias e participações sociais dos três envolvidos tem data de 23 de dezembro, e o Estado teria até 30 dias para dar seguimento à ação principal.
Mas as férias judiciais implicam uma suspensão do prazo, pelo que nada deverá acontecer até à abertura do novo ano judicial em Angola, entre a primeira e a segunda semana de março, indiciou a fonte judicial.

Só depois serão citadas as partes que foram alvo de arresto (a filha do ex-presidente angolano, José Eduardo dos Santos, o marido, e Mário Leite da Silva, apontado como gestor dos negócios da empresária) que terão de constituir advogados para a sua defesa.
Segundo a fonte judicial, “todas as decisões concernentes à apreensão dos bens serão resolvidas no processo principal, esta é uma medida precária”.
Nesta altura, o Estado, representado pelo Ministério Público terá de provar que determinados bens foram adquiridos com dinheiro público, terá de haver provas documentais.
Questionado sobre se Angola requereu apoio das autoridades portugueses para obtenção de alguns destes documentos, a fonte judicial adiantou que “nesta fase, os mecanismos de cooperação bilaterais na área da justiça ainda não foram acionados”, pois o alvo do arresto foram contas e participações em empresas detidas em Angola

De acordo com um comunicado divulgado, na altura, pela Procuradoria-Geral da República (PGR) a filha do ex-Presidente de Angola, Sindika Dokolo e Mário Leite da Silva celebraram negócios com o Estado angolano através das empresas Sodiam, empresa pública de venda de diamantes, e com a Sonangol, petrolífera estatal, lesando o Estado em mais de mil milhões de dólares.
Da lista de empresas arrestadas constam o banco BIC, na qual Isabel dos Santos detém 25% das participações sociais, através da empresa SAR – Sociedade de Participações Financeiras e 17,5%, por intermédio da empresa Finisantoro Holding Limited de direito maltês, e a Unitel, com 25% participações sociais de Isabel dos Santos, através da empresa Vidatel, Limited.
O banco BFA, com 51% das participações sociais por intermédio da Unitel, na qual Isabel dos Santos detém 25% através da empresa Vidatel, e a ZAP Media, com 99,9% de participações de Isabel dos Santos, através da empresa Finstar – Sociedade de Investimentos e Participações foram igualmente arrestadas.
Na Finstar os requeridos são beneficiários últimos de 100% das participações sociais, na Cimangola II SA, Ciminvest – Sociedade de Investimentos e Participações, Isabel dos Santos e Sindika Dokolo são beneficiários últimos, na Condis – Sociedade de Distribuição Angola SA, Isabel dos Santos detém 90% das participações sociais e Sindika Dokolo 7%.
Também foram arrestadas as empresas Continente Angola, Lda, onde Isabel dos Santos é beneficiária última e a Sodiba – Sociedade de Distribuição de Bebidas de Angola, e Sodiba Participações, em que a empresária angolana é igualmente beneficiária última.
Relativamente às contas bancárias pessoais dos requeridos, o tribunal decretou o bloqueio nos bancos BFA, BIC, BAI e Banco Económico.
Isabel dos Santos detém participações em Portugal em setores como a energia (Galp e Efacec), telecomunicações (NOS) ou banca (EuroBic).

FONTE: OBSERVADOR
837
%d blogueiros gostam disto: