MDM EXIGE A DEMISSÃO DE NYUSI EM 72 HORAS CASO NÃO, IRÁ CONVOCAR UMA MANIFESTAÇÃO NACIONAL

MDM EXIGE A DEMISSÃO DO NYUSI EM 72 HORAS CASO NÃO, IRÁ CONVOCAR UMA MANIFESTAÇÃO NACIONAL – Após a revelação nos Estados Unidos da América do envolvimento do Presidente Filipe Nyusi e seu partido no maior escândalo financeiro, tendo recebido o valor de Um milhão de dólares e o partido Frelimo recebido Dez milhões de dólares, o Movimento Democrático de Moçambique-MDM exige que o Chefe de Estado coloque à disposição o seu cargo num período de 72 Horas caso contrário o segundo maior partido da oposição irá convocar uma manifestação nacional.

Ajude o Jornalismo Social e Responsável Assinando AQUI


A informação foi tornada pública esta Quinta-feira (21) na sede do partido por Augusto Pelembe, chefe Nacional adjunto de organização e informação.

O MDM exige que nas próximas 72 horas que Filipe Nyusi coloque o seu cargo à disposição e que o Conselho Constitucional não valide as eleições, remarcando assim uma data para um novo escrutínio“, disse Augusto Pelembe. A fonte vai mais longe nas exigências do seu partido, que também quer que a Procuradoria-Geral da República coloque as mãos na massa, levando à barras da justiça todos os citados no caso das dívidas ocultas.

O Chefe Nacional adjunto de organização e informação do MDM revela que caso Filipe Nyusi não acate as exigências no período estabelecido para a sua demissão, irá convocar uma manifestação a nível nacional. “Nós vamos apelar para uma marcha a nível nacional, vamos fazer tudo ao nosso alcance para tentar persuadir para que esses senhores possam renunciar ou se colocar a disposição da justiça moçambicana”, avançou Pelembe. Por outra, Augusto Pelembe apela a casa militar, casa civil, serviços secretos e a PRM para que não dificulte esses propósitos do povo moçambicano em se libertar dessa franja.

O MDM avança que não irá permitir que o país tenha um Governo e um Presidente cujos nomes constam dos autos do crime organizado. “Ao bem da nação exigimos que sejamos ouvidos para que o país não vire uma Líbia, Venezuela, Zimbabwe, Bolívia ou Iraque. Somos a maioria, prejudicaram-nos, a economia está de rastro, nossos filhos estão engolidos pelo desemprego, alto custo de vida, hospital sem remédio, escolas sem carteiras e isso tudo pela ganância de um grupo de gangsters políticos”, despejou Augusto Pelembe.

Entretanto, o partido Frelimo é convidado a vir a público esclarecer aos moçambicanos o porquê o recebimento de 10 milhões de dólares provenientes das dívidas ocultas. Na ocasião, Pelembe mencionou um documento da 1ª Sessão ordinária da comissão política realizada no dia 21 de Janeiro do corrente ano, tendo em conta outros assuntos, a situação da dívida comercial não declarada, associada as empresas Ematum, Proindicus e Mam.

No ponto quatro do documento em questão, está escrito que a Comissão política defende que onde a justiça comprovar que os valores da dívida não foram aplicados para fins de interesse público, deve haver a necessária responsabilização e recuperação do dinheiro e bens. “Se a própria comissão política em janeiro deste ano decidiu que todos bens devem ser recuperados, acho que é justo que hoje a comissão política da Frelimo se reúna e devolva os 10 milhões de dólares que receberam desse calote” concluiu a fonte.

Por: Nádio Taimo

 

Continue lendo mais notícias sobre Moçambique e que cheguem a você em primeira mão:

Faça já a sua assinatura:

Assinantes Singulares

 

Assinantes EMPRESAS

 

Assinantes ONG´s

 

Assinantes EMBAIXADAS

 

7.413
Fechar

Capa da Semana

Fresquinha e Quente está a edição número 105

Anuncie aqui – 872007240

PUBLICIDADE E ANÚNCIOS
PUBLICIDADE E ANÚNCIOS
%d blogueiros gostam disto: