Mia Couto afirma que é preciso reumanizar a sociedade

Mia Couto afirma que é preciso reumanizar a sociedade

O escritor moçambicano pronunciou-se nestes moldes no decurso da cerimônia de investidura do Presidente da República realizada nesta quarta-feira em Maputo.

Couto acredita que no meio a conflitos político-militares, a única forma de tornar este momento histórico e mais humano é criar memórias que não sejam de acusação do outro mas que mostrem que o que é visto como inimigo é uma pessoa, é moçambicano, tem rosto, tem voz, tem uma história.

“Foi triste que, nós passamos duma guerra civil e o retrato deste outro que era visto como bandido armado por exemplo não tinha uma figura humana?”, questiona o Escritor.

Para Mia Couto, é preciso reumanizar a sociedade. “Porque a literatura humaniza a sociedade, mostra que aquele que é visto como inimigo ou adversário é uma pessoa também”, acrescenta Mia.

Na sua intervenção Mia Couto, aponta que para o caso de Mariano Nhongo só existe uma explicação, “uma pessoa que usa armas não quer outra coisa senão poder e esse poder só pode ser autoritário, que traz medo… um poder que nas condições de Moçambique se estabeleça por via de armas, pela violência”, avança.

O interlocutor aponta que este é o momento falar, conversar. “É verdade que faz falta de todos os lados uma atitude mais tolerante, de ouvir o outro”, explana. Para Couto, não ouvir, simplesmente pode se achar que é uma formalidade, mas, segundo Mia Couto, precisa-se ouvir esta mulher ou aquele homem do outro partido pois pode ser que tenha razão.

Mia Couto afirma que é preciso reumanizar a sociedade  Por outro lado o empresário da área musical e ShowBiz, Bang, acrescentando as palavras do Presidente da República que se dirigiu a nação logo a seguir a tomada de posse, disse que falar da paz será um impulso para que se semeie a planta de tranquilidade em todos moçambicanos.

No entender do empresário, a cultura é um dos elementos catalizadores da Paz, pois ela faz parte dos hábitos e costumes de um povo sem distinção de etnia, raça, cor ou outra orientação social.

Bang acredita que Nyusi poderá aumentar as energias para o desenvolvimento do país pois este é o seu último mandato.

Bang respondendo ao Jornal Visão aponta que não há intenção da parte dele de estar num cargo de alto nível para uma melhor gerência da indústria cultural nacional.

Resultado de imagem para Roberto Chitsondzo"Roberto Chitsondzo, que também já foi deputado pela bancada da FRELIMO, afirma que para este mandato, espera que haja Paz em todos sentidos. “Da paz para que a Cultura possa ganhar mais espaço e que o povo viva na tranquilidade”, avança. Chitsondzo disse ainda que o povo moçambicano tem uma diversidade cultural e que se levar-se em conta este facto, poderão ser acrescidos valores aos Artistas e para o próprio país. Roberto Chitsondzo espera para este Quinquênio que o governo possa dê atenção a cultura “e que nós fazedores da cultura o nosso desafio é levar a nossa cultura além fronteiras”, frisou.

Resultado de imagem para Isau menezes"Por sua vez Isau Menezes espera que sejam criadas instituições que vão trabalhar na indústria cultural “e ai vamos catapultar o papel da cultura como factor de desenvolvimento econômico de país”, avançou o músico.

Isau Menezes almeja que Moçambique também possa criar condições para o subsistema de ensino de artes onde se inserem escolas de dança, de artes visuais entre outros assim como criar e produzir mais legislações especiais e políticas sobre a cultura.

Resultado de imagem para Elvira viegas"

 

 

Para Elvira Viegas o governo deve criar espaço de realização de atividades culturais. “Propomo-nos a potenciar acções que visam o resgate, preservação e transmissão do nosso rico legado histórico e cultural e da conquista de valores contemporâneos”, rematou Viegas.

Leia mais:

 

Edição 102 - 17 de Janeiro 2020
843

Perfil do Editor

Redacção
Propriedade de Edições do Jornal Visão, Registado na República de Moçambique em Dezembro de 2016 no Gabinete de Informação, Instituição de Tutela sobre o sector da comunicações e radiodifusão com procedimentos dos ministérios da Justiça, Interior, Comércio e Indústria e dos Transportes e Comunicações. Publicações Semanais por PDF e diárias através do Website www.jornalvisaomoz.com. Notícias de Moçambique e do mundo na hora certa, com factos e argumentos fiáveis e credíveis.

Propriedade de Edições do Jornal Visão, Registado na República de Moçambique em Dezembro de 2016 no Gabinete de Informação, Instituição de Tutela sobre o sector da comunicações e radiodifusão com procedimentos dos ministérios da Justiça, Interior, Comércio e Indústria e dos Transportes e Comunicações. Publicações Semanais por PDF e diárias através do Website www.jornalvisaomoz.com. Notícias de Moçambique e do mundo na hora certa, com factos e argumentos fiáveis e credíveis.

×

Olá!

Clique em um de nossos representantes abaixo para bater um papo no WhatsApp ou envie-nos um e-mail para admin@jornalvisaomoz.com

× DENUNCIE SEM MEDO AGORA!
%d bloggers like this: