Moçambique pretende tornar-se um dos maiores produtores de energia hidroeléctrica em África e iniciar uma indústria de hidrogénio verde » Economia » Jornal Visão Moçambique

Moçambique pretende tornar-se um dos maiores produtores de energia hidroeléctrica em África e iniciar uma indústria de hidrogénio verde

Mozambique power

Imagem; REUTERS TEXTO: Bloomberg

O governo planeia adicionar 14.000 MW de capacidade hidroeléctrica, com a maior parte desenvolvida entre 2030 e 2040, conforme a Estratégia de Transição Energética de 60 páginas vista pela Bloomberg. Um programa de hidrogénio será estabelecido este ano, conforme indicado no documento, que ainda não foi divulgado publicamente.

A proposta é um plano de como uma das nações mais pobres do mundo cogita aproveitar o seu potencial de energia verde para impulsionar o crescimento e industrializar o que, meio século após a independência de Portugal, ainda é uma economia agrária na maioria empobrecida.

“Moçambique possui vastos recursos energéticos”, disse o governo, que estima em 80 biliões de dólares, Norte americanos, o custo da transição até 2050. “O uso estratégico desses recursos energéticos pode acelerar a transição para uma economia industrializada de renda média.”

O plano de transição energética, embora ambicioso, apresenta semelhanças com os anunciados por África do Sul, Senegal, Indonésia e Vietname, que, juntos, atraíram promessas de financiamento de $47 biliões de algumas das nações mais ricas do mundo.

No cerne da proposta está o rio Zambeze, o quarto mais longo da África. O país já opera a central hidroeléctrica Cahora Bassa de 2.075 MW no rio, e um grupo liderado pela TotalEnergies e pela Sumitomo Corp. do Japão está a construir a barragem Mphanda Nkuwa de 1.500 MW, no valor de $5 biliões.

Na década até 2040, Moçambique pretende adicionar 9.000 MW de energia hidroeléctrica e mais na década seguinte, atraindo investimentos em centrais, semelhante ao modelo seguido com Mphanda Nkuwa, de acordo com o documento.

O governo, que enfatiza repetidamente a necessidade de investimento privado, uma vez que não pode financiar os programas por si só, também deseja estabelecer parques industriais para utilizar a energia limpa. Bilhões de dólares em receitas esperadas de projectos de gás natural no Norte do país estão previstos para transformar a economia, mas a construção foi adiada por uma insurgência islâmica.

Essa expansão permitiria a Moçambique competir com Etiópia e República Democrática do Congo na provisão de energia a partir de recursos hídricos. Etiópia construiu uma gigantesca central hidroeléctrica no Nilo Azul, enquanto o Congo há muito propõe a construção de Grand Inga, que potencialmente seria o maior projecto hidroeléctrico do mundo.

Um dos primeiros passos é manter os 1.150 MW que vende à África do Sul de Cahora Bassa quando esse contrato terminar em 2030.

Embora as exportações não sejam completamente interrompidas, o objectivo é que Moçambique use o máximo possível de seus próprios recursos para impulsionar o desenvolvimento e a electrificação, com 51% da população tendo acesso à energia agora, em comparação com 26% em 2017. Quaisquer acordos de exportação serão mais curtos e em termos melhores, disse o governo.

A nação do Sudeste africano também deseja expandir sua rede eléctrica, que, em seu estado actual, impede que a hidroeléctrica de Cahora Bassa chegue à capital, Maputo. Uma expansão permitiria conectar plantas solares e eólicas. Os custos iniciais são estimados em $2,54 biliões.

No geral, o objectivo é adicionar 7.500 MW de energia solar e até 2.500 MW de energia eólica.

Outros programas para descarbonizar a economia incluem desencorajar o uso de lenha e carvão para cozinhar, conectando mais pessoas à rede e disponibilizando gás natural liquefeito. O transporte público mudará de diesel para alternativas mais limpas.

Ao detalhar seus planos, Moçambique junta-se a várias nações africanas que tentam atrair investimentos em energia renovável. África do Sul e Uganda estão entre aqueles que elaboraram programas para transição de suas indústrias de energia para longe dos combustíveis fósseis.

error

Enjoy this blog? Please spread the word :)

Activar notificações Sim Não, obrigado
Trimurti furniture pen. Embark on a mindfulness adventure : nurturing mental health through 8 transformational practices. Uncategorized – dobi ads.