MORADORES DE MAGOANINE AFECTADOS PELA EROSÃO AGUARDAM PELO REASSENTAMENTO A MAIS DE CINCO ANOS

São cerca de 30 famílias do bairro de Magoanine “A”, no quarteirão 32 “B” na cidade de Maputo que vivem em situações de perigo desde 2014. A erosão que deixa essas famílias com coração nas mãos foi provocada pela chuva que caiu há mais de 5 anos arrastando as áreas e deixando suas residências suspensas. Entretanto as famílias como solução optaram em usar as valas abertas pelas águas para deitar lixo, sendo que o mau cheiro, as moscas é o que demais há naquela zona residencial colocando assim a saúde dos cidadãos em situações de perigo.

Segundo Felicidade Jorge Ntimane uma das moradoras do bairro, o local onde vivem só ficam por opção pois não tem onde ir. Não tem condições para se abrigar em outro local, e o medo é maior de um dia pode ver as suas residências a caírem e tirando-lhes tudo devido a situação avançada da degradação do solo e das residências, avançou o entrevistado.

Ntimane revela ainda que em 2017 o conselho Municipal colocou uma indicação de que ninguém deveria construir e que em breve seriam reassentados, mas já passam se 2 anos e nada feito. “Quando faz muito calor sofremos com as moscas e somos obrigados a comprar algo que mate moscas para poderem diminuir, são provocadas pelo lixo que usamos como solução para acabar com a erosão, e por vezes queimados para poder reduzir e colocar outro“, desabafou. Por outra, Vasco Mathusse residente no mesmo bairro conta que quando chove as ruas assim como as residências ficam inundadas e agradeceria qualquer tipo de ajuda pois precisam.

A fonte frisa que vive no bairro junto com sua família há mais de 5 anos e quando comprou o local não tinha conhecimento de que tratava-se de uma zona baixa, mas a situação mais marcante foram as chuvas de 2014 que deixaram quase todo quarteirão inundado, contudo, como forma de se proteger pediu a população para que deitasse lixo na residência dele pois estava em situações de gravidade, depois disso colocou areia por cima e até então está minimizado. Mathusse está ciente da gravidade que corre ao conviver com lixo em sua residência, conta que comprava um medicamento específico para matar as moscas.

Anifa Abudo revela que além da erosão a outra preocupação está ligada a criminalidade. A situação das casas abandonadas cujos proprietários foram reassentados. “Os jovens aproveitam-se delas para se drogarem, quando mandamos embora ameaçam nos e acabamos por calar, pois podem fazer algo pior, são muito novos mas fazem e desfazem delas”, conta. Abudo frisa que a problemática do lixo naquela zona residencial tende a aumentar porque que os agentes do município contratados para a recolha de resíduos sólidos deitam o lixo nessas crateras, e quando é queimado sofrem com o fumo porque leva 2 a 3 dias para se apagar.

Como forma de entender melhor a situação, o chefe de quarteirão 32’B, João Novela explanou que alguns dos moradores que estavam na mesma situação foram reassentados na zona da montanha e mesmo assim ainda não foram dados seus terrenos. Entretanto, sobre o perigo eminente a estas famílias, a fonte conta que está sendo feito um trabalho de levantamento para poder levá-las ao lugar seguro, sem avançar uma data fixa para tal.

Por: Arminda Maungue 

1.685

Editor-chefe do Jornal Visão. Iniciou com a sua carreira Jornalística na Imprensa escrita em 2016 no Jornal Times of Mozambique. Conta com um prémio Jornalístico, 2º lugar do (Prémio Jornalístico sobre Cooperativismo Moderno - 2019 na categoria de Imprensa Escrita, organizado pela AMPCM. Já passou por vários jornais nacionais e trabalhou também como correspondente internacional. Nádio Taimo é também Apresentador e Produtor de programas de Rádio, Redactor Publicitário e Escritor. Já ganhou um Prêmio "Poeta Revelação 2015". Contribui para o desenvolvimento das Comunidades de baixa renda como um agente Cívico, activista de Direitos Humanos, formado em liderança cívica pela Unisa Graduate School of Bussiness LeaderShip-SBL Alumni através do Yali na África do Sul. Conta com outras formações como Acção Social, Empreendedorismo e Negócios, Técnico Médio de Comunicação e Multimédia, entre outras. ~ Nasceu a 06 de Novembro de 1995 na província de Maputo - Cidade da Matola - Moçambique, local onde fixou sua residência atual. É comprometido com seu trabalho e família.

×

Olá!

Clique em um de nossos representantes abaixo para bater um papo no WhatsApp ou envie-nos um e-mail para admin@jornalvisaomoz.com

× DENUNCIE SEM MEDO AGORA!
%d bloggers like this: