Morreu John Magufuli Presidente da Tanzânia

Num discurso feito a televisão local na noite de quinta-feira(11), o vice-presidente da Tanzânia, Samia Suluhu Hassan, disse que Magufuli morreu de complicações cardíacas.

Hassan disse que Magufuli foi hospitalizado no dia 6 de Março no Jakaya Kikwete Cardiac Institute.

O líder de 61 anos outrora apelidado de “o bulldozer” morreu, após semanas de especulação de que ele estava infectado com COVID-19. Muitas pessoas se lembrarão dele por seu tratamento controverso da pandemia na Tanzânia.

Desde que a pandemia foi declarada em Março de 2020, Magufuli minimizou a gravidade do vírus. A certa altura, ele zombou das instalações de teste de coronavírus do país, dizendo que havia enviado secretamente amostras de mamão e cabra e que deram positivo. Embora ele nunca tenha fornecido provas dessa afirmação, ele alertou que esses resultados podem significar que as pessoas estão a ter resultados falsos positivos.

Pouco depois, a Tanzânia parou de compartilhar actualizações sobre o número de pessoas infectadas e mortas devido ao COVID-19. Os últimos dados sobre o coronavírus no país foram fornecidos em Maio do ano passado. Naquela época, foi confirmado que 509 pessoas contraíram o vírus e 29 morreram.

Sem Lockdown

Enquanto os países vizinhos Quênia e Uganda implementavam bloqueios e toques de recolher para conter a disseminação do COVID-19, o presidente Magufuli chocou muitos ao declarar que a Tanzânia permaneceria aberta para negócios.

“Nós, tanzanianos, não nos trancamos e não espero anunciar nem um único dia que estamos a implementar um lockdown porque nosso Deus ainda está vivo e continuará protegendo a nós”, disse o falecido presidente certa vez a uma multidão. “Mas também devemos continuar a tomar precauções, incluindo cozinhar. Você cozinha a vapor, ao mesmo tempo ora a Deus, e continua com suas actividades diárias para que você se alimente bem e seu corpo crie imunidade contra o coronavírus.”

Depois que o primeiro vice-presidente de Zanzibar, Seif Sharif Hamad, morreu do vírus em Fevereiro, Magufuli e, em maior medida, os tanzanianos começaram a reconhecer o grave risco de contrair o patógeno mortal. Posteriormente, o Ministério da Saúde da Tanzânia emitiu instruções instando os cidadãos a observar os protocolos de prevenção COVID.

DE PROFESSOR A PRESIDENTE

Nascido em 29 de outubro de 1959, Magufuli fez Mestrado e Doutoramento na Universidade de Dar es Salaam em 1994 e 2009, respectivamente. Depois de um curto período de ensino na Escola Secundária de Sengerema e mais tarde trabalhando como químico industrial, Magufuli entrou para a política sob o partido governante Chama Cha Mapinduzi (CCM).

Ele foi eleito membro do parlamento em 1995 e no mesmo ano nomeado vice-ministro do Trabalho, recebendo o título de ministro em 2000. Em 2010, ele ganhou popularidade depois de ser nomeado ministro das Obras e Transportes da Tanzânia pela segunda vez. Seu estilo de liderança optimista e luta contra a corrupção na indústria de construção de estradas foram cativantes para os tanzanianos, que mais tarde o apelidaram de “o tractor”.

Ele concorreu à presidência em 2015 e obteve 58% dos votos, derrotando Edward Lowassa, do partido de oposição Chadema. Em 2020, ele foi reeleito – uma vitória que o candidato presidencial da oposição Tundu Lissu qualificou como fraudulenta.

No discurso de posse, Magufuli elogiou muito a conduta eleitoral do país. “Como você sabe, as eleições têm sido uma fonte de conflito em muitos países, mas nós, os tanzanianos, passamos com segurança neste teste. Isso é uma prova para o mundo de que os tanzanianos são amantes da paz e que amadurecemos a nossa democracia.”

ADORADO EM CASA – MAS NÃO NO EXTERIOR

Na Tanzânia, o presidente Magufuli era uma figura popular. Seu governo introduziu medidas de corte de custos que conquistaram muito o respeito dos cidadãos. Por exemplo, em 2015, ele suspendeu as celebrações da independência do país, em vez disso instou os cidadãos a limpar suas comunidades para combater um surto de cólera. Ele também embarcou em grandes projectos de infraestrutura, como o porto de Bagamoyo, uma nova ferrovia e a modernização do Aeroporto Internacional de Dar-es-Salaam.

Sua guerra directa contra a corrupção foi admirada não apenas na Tanzânia – mas em todo o continente. “Magufuli entrou na plataforma de luta contra a corrupção e empoderamento das massas”, disse Martin Adati, analista político queniano entrevistado pela DW. “São as pessoas que têm-se beneficiado com a corrupção e todas essas outras coisas malditas que não estão muito felizes com ele.”

No entanto, sua popularidade em casa foi manchada no exterior por grupos de direitos humanos que o acusaram de atropelar direitos básicos como liberdade de imprensa e expressão. Em 2020, seu governo introduziu uma lei que tornava crime punível a media local publicar conteúdo internacional sem autorização.

Para o exilado líder da oposição Tundu Lissu, a presidência de Magufuli estava repleta de tendências autocráticas, apesar de suas realizações. “Sim, ele construiu todas essas coisas, mas isso não justifica o mau governo, não justifica as políticas draconianas e muito autoritárias que impôs ao país”, disse Lissu à DW, acrescentando que as acções do falecido presidente não legitimaram a destruição dos processos democráticos do país.

 148 

Comentários do Facebook

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.