Nós, mulheres moçambicanas, temos medo do presente e reservas em relação ao futuro!

Nós, mulheres moçambicanas, temos medo do presente e reservas em relação ao futuro!

As celebrações do dia da Juventude tiveram como epicentro o distrito de Marracuene, onde a Secretária de Estado para a Província de Maputo, Vitória Diogo, afirmou que aquele distrito tem tudo para desenvolver e que a juventude é a força motriz. Uma situação atípica que se vive no país e que apoquenta a juventude tem a ver com guerras, sequestros, e raptos que ao olhar dos jovens o governo está calado.

O movimento Mulheres Jovens Líderes lançou uma mensagem alusivo a esta data e aponta no eu escrito que “Nós, mulheres moçambicanas, temos medo do presente e reservas em relação ao futuro!”

A frase que começa o documento partilhado por este semanário, chama atenção a juventude mas muito ao governo para que olhe a situação política e social do país onde os sequestros, assassinatos e privação das liberdades parecem algo normais, colocando em risco as gerações vindouras.

“Este ano assinala-se o dia da Juventude num período atípico em que o anormal se reconfigura numa tensão através da qual a luta pelos direitos humanos é reduzida, por algumas correntes extremistas, em lutas de homens contra mulheres e de pessoas contra infra-humanos. Um ambiente no qual negligencia-se o cenário de disciplina militar/policial com relações de poder tão desiguais que não raras vezes resulta em punições severas contra desacatos à autoridade ao invés de às leis”, Lê-se no documento.

Para as activistas as perguntas não terminam e exemplificam dizendo “Como celebrar a juventude quando Fátima com apenas 15 anos continua raptada desde 2018 por insurgentes em Cabo Delgado agora em lugar incerto? Como celebrar a juventude quando Maria, em Morrumbala, foi engravidada pelo enfermeiro que tinha o dever de a proteger e preparar como activista na prevenção de uniões prematuras? Como celebrar a juventude quando em Maputo as nossas irmãs vêem os seus produtos expropriados de forma desumana sem qualquer reintegração em nome da requalificação da cidade? Como celebrar a juventude quando muitas de nossas irmãs em campos de reassentamento e de refúgio têm acesso condicionado a donativos em troca de sexo? Como celebrar a juventude quando os nossos jovens vêem as suas terras expropriadas em nome da exploração de recursos minerais que raramente beneficiam às comunidades locais? Como celebrar a juventude quando nossos irmãos aderem a incursões terroristas por falta de alternativas económicas mesmo tendo o rubí, a madeira, o carvão e o gás saqueados à sua vista?

Que tipo de sociedade quer ser quando normalizamos tanta gravidez em centros de instrução que nos devem formar para a vida? Se limitará a responsabilidade do instrutor em ministrar conteúdos formais sem o respeito à ética e à disciplina devida ao Estado?

As perguntas são infinitas colocadas por estas mulheres que têm medo de continuar numa sociedade onde se pode fazer tudo de mal e menos de bom. No seu entender o silêncio do governo e das instituições públicas mostra desinteresse pela juventude que vê nos dirigentes o alicerce para a resolução dos eus problemas.

O Documento que o Jornal Visão teve acesso aponta situações de Morrumbala, onde um técnico de saúde engravidou uma rapariga e não foi sancionado, da Matola, onde militares que violaram o maior de todos os direitos, o direito a vida, em nome da COVID-19 e a impunidade aos polícias que balearam mortalmente o jovem James Aníbal, da região

98

Perfil do Editor

Redacção
Propriedade de Edições do Jornal Visão, Registado na República de Moçambique em Dezembro de 2016 no Gabinete de Informação, Instituição de Tutela sobre o sector da comunicações e radiodifusão com procedimentos dos ministérios da Justiça, Interior, Comércio e Indústria e dos Transportes e Comunicações. Publicações Semanais por PDF e diárias através do Website www.jornalvisaomoz.com. Notícias de Moçambique e do mundo na hora certa, com factos e argumentos fiáveis e credíveis.

Propriedade de Edições do Jornal Visão, Registado na República de Moçambique em Dezembro de 2016 no Gabinete de Informação, Instituição de Tutela sobre o sector da comunicações e radiodifusão com procedimentos dos ministérios da Justiça, Interior, Comércio e Indústria e dos Transportes e Comunicações. Publicações Semanais por PDF e diárias através do Website www.jornalvisaomoz.com. Notícias de Moçambique e do mundo na hora certa, com factos e argumentos fiáveis e credíveis.

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

×

Olá!

Clique em um de nossos representantes abaixo para bater um papo no WhatsApp ou envie-nos um e-mail para admin@jornalvisaomoz.com

× DENUNCIE SEM MEDO AGORA!
%d bloggers like this: