Género

O lento progresso na ratificação e implementação do Protocolo de Maputo teve consequências negativas para mulheres e meninas

Desde a sua adopção em 2003, o Protocolo à Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos sobre os Direitos das Mulheres na África, conhecido como Protocolo de Maputo, tem contribuído para mudar a trajectória na promoção e protecção dos direitos das mulheres em África.

Apesar das suas protecções progressivas, até à data, apenas 42 países assinaram e ratificaram o Protocolo de Maputo. Destes 42, menos ainda tomaram as medidas necessárias para alinhar seus quadros jurídicos, políticas e compromissos orçamentários com os Artigos do Protocolo.

O Protocolo de Maputo garante direitos abrangentes às mulheres, incluindo o direito de participar no processo político, maior autonomia no exercício e realização dos seus direitos de saúde sexual, reprodutiva e o fim da mutilação genital feminina (MGF).

Apesar destes compromissos progressivos, a realidade da vida das mulheres no continente está divorciada do quadro legislativo, conforme evidenciado pela falta de vontade política dos Estados Membros em cumprir os seus compromissos de ratificar, domesticar e implementar o Protocolo de Maputo.

O lento progresso na ratificação e implementação do Protocolo teve consequências negativas para mulheres e meninas, que também foram exacerbadas pelo surto da nova pandemia COVID-19.

A realidade no continente africano é que as mulheres continuam a ser desproporcionalmente infectadas e afectadas pelo HIV e pela AIDS. Na África Subsaariana; quase 60% das pessoas infectadas são mulheres. Dos 2,3 milhões de refugiados e pessoas deslocadas internamente no continente, a maioria são mulheres e crianças. Mulheres e crianças em todo o continente também estão sujeitas a níveis crescentes de pobreza, violência de género, práticas sociais e culturais prejudiciais, fome e desemprego durante a pandemia COVID-19. A desigualdade da vacina é definida para exacerbar ainda mais as condições precárias em que as mulheres são forçadas a viver em todo o continente.

Notamos com preocupação a falta de mecanismos administrativos e políticos adequados e significativos que abordem a vulnerabilidade crescente e contínua das mulheres marginalizadas no continente, especialmente aquelas que vivem em zonas de conflito, áreas rurais, na pobreza urbana, com deficiência, afectadas e infectadas pelo HIV.

Observamos ainda, a institucionalização do patriarcado em estruturas de tomada de decisão política, órgãos tradicionais, culturais e instituições religiosas exacerba a vulnerabilidade das mulheres.

Apelamos à Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos para obrigar os Estados-membros que ainda não ratificaram o Protocolo a fazê-lo e, para os Estados-membros que ratificaram o Protocolo de Maputo, a domesticar e implementar o protocolo com urgência.

Redacção do Jornal Visão

Jornal moçambicano que inova na maneira de informar. Notícias de Moçambique e do mundo num toque. Digitalizamos a maneira como a notícia chega ás suas mãos e ao bolso através desta camada jovem que faz Jornalismo Social e Responsável.

Share
Published by
Redacção do Jornal Visão

Recent Posts

O  Barcelona está por um fio na liga Europa

O  Barcelona está por um fio na liga Europa. Se não ganhar o último confronto…

7 horas ago

Empresários Europeus já investiram mais de 60 biliões de dólares em Moçambique

Países como Portugal, Espanha, Itália, Irlanda, Suécia, França e Finlândia, figuram como os que mais…

5 dias ago

A partir de Moçambique: GALP reforça o fornecimento Gás de Petróleo Liquefeito na SADC

Esta garantia surge do investimento feito pela GALP Moçambique num montante de 12 milhões de…

5 dias ago

PARA NÃO FICAR NA SOLIDÃO no fim do mandato na FEMATRO: Castigo Nhamane e seus comparsas surripiam presídio da COOPTRAB

O actual Presidente da Federação Moçambicana das Associações dos Transportadores Rodoviários(FEMATRO), Castigo Nhamane junto do…

5 dias ago

Polícias Guineenses recebem formação da INTERPOL em combate ao tráfico de armas de fogo e crimes associados

Realiza-se, entre os dias 24 e 26 de Novembro, em Bissau, o Curso de Formação…

7 dias ago

NA ZAMBÉZIA: Inaugurado Gabinete Central de Combate a Corrupção

A infra-estrutura foi Inaugurada pela Secretária de Estado, Judith Mussácula, nesta terça-feira, 23, na capital…

1 semana ago