Um click para o muno das notícias! » CAPA » PARA AUMENTAR USO DE GNV: Autogás reduz o custo de conversões de viaturas para metade

PARA AUMENTAR USO DE GNV: Autogás reduz o custo de conversões de viaturas para metade

A Autogás concluiu a fase de reforço da capacidade dos postos existentes que culminou com a duplicação da capacidade de abastecimento de viaturas nos postos existentes. Actualmente a Autogás opera 6 postos de GNV nomeadamente no Terminal de autocarros EMTPM na cidade de Maputo, Posto do Zoo, Posto da Machava, Posto da EN4 Malhampsene, Mozal e Marracuene, localizados na cidade e província de Maputo.

Segundo o Director Executivo da Autogás, João das Neves no acto a sua comunicação aos jornalistas disse que   terminal dos autocarros da EMTPM foi instalada uma unidade nova para atender simultaneamente dez autocarros permitindo aliviar as filas que vinham caracterizando o abastecimento naquele local.” Assim, actualmente as viaturas abastecem mais rapidamente e sem ter que aguardar em filas demoradas como vinha acontecendo nos últimos tempos “afirmou.

A empresa actualizou as características técnicas do equipamento de compressão em todos os postos e instalou novos dispensários de alta vazão, permitindo assim actualizar a sua estrutura técnica para melhor eficiência. Por outro lado, Das Neves referiu-se à redução para metade do custo de conversão de viaturas para o uso de Gás Natural Veicular — GNV como um estímulo que a empresa está a dar para os moçambicanos poderem aderir.

Para o efeito, a Autogás subsidia o custo de conversão, com intuito de massificar cada vez mais o uso deste combustível que se apresenta como a solução para os moçambicanos numa altura em que os combustíveis líquidos estão caríssimos e o mundo decidiu abandoná-los por motivos ambientais.

A boa nova vem responder ao desafio que vinha sendo colocado pelos consumidores em relação ao custo das conversões.

“Desde o início do projecto que os moçambicanos disseram sim ao Gás Natural, que estão preparados e que reconhecem a importância do uso de Gás Natural Veicular, contudo, o custo das conversões era um desafio enorme. Assim, e à medida que a Autogás se vem consolidando no mercado, tem investido não só na expansão da rede de postos de abastecimento, mas também na redução dos preços das conversões. Acrescentou que os clientes mais interessados são os grandes frotistas, empresas de distribuição e os transportes de passageiros públicos e privados que têm vindo gradualmente a aderir ao projecto”, disse.

Neste sentido, tal como deu a conhecer o Director Executivo da Autogás, a conversão de um veículo turismo, cujo custo outrora estava em torno de 80 a 120 mil meticais, agora é feita a partir de 48 mil meticais. Para uma carinha mini-bus ou mesmo uma viatura de alta cilindrada, uma V6 ou V8, a conversão variava entre 120 até 160 mil meticais, mas hoje é feita a partir de 80 mil meticais.

E explicou que, actualmente, para quem utiliza a sua viatura regularmente, é possível pagar o custo de conversão com a poupança no combustível dentro de quatro a cinco meses, ou seja, “se alguém gasta vinte mil meticais por mês, ao converter para o gás, passa a pagar 10 mil meticais e poupa todos os meses 10 mil meticais. Se a conversão custou 50 mil meticais, em cinco meses pode pagar a conversão com a poupança.”

Refira-se que a Autogás trabalha com sete postos de Gás Natural Veicular em Maputo Matola e Marracuene e cogita estar em toda a zona Sul do país nos próximos cinco anos.

“Para este ano, estão previstos mais dois postos de abastecimento e, provavelmente, o terceiro posto no início do próximo ano. São três projectos nos quais estamos a trabalhar, com investimento já assegurado. Actualmente, estamos no processo de implementação gradual, nomeadamente, licenciamento, detalhes de engenharia, entre outros aspectos”, avançou o Director Executivo.

Questionado sobre uma eventual expansão do projecto à escala nacional, Das Neves referiu que depende de dois factores, primeiro, a adesão dos moçambicanos ao projecto, ou seja, quanto mais rápido as pessoas aderirem, mais rápido a Autogás irá mobilizar fundos para alargar a rede; segundo, depende da disponibilidade do gás: “aqui na zona Sul do país, nós temos o gasoduto a funcionar, mas outras províncias, como Sofala, Manica, Tete, Nampula, entre outras, dependem muito da disponibilidade do abastecimento da zona Norte. Portanto, assim que em Cabo Delgado passarmos a ter acesso ao LNG onshore, isto é, em terra, alargaremos a rede dos postos para a zona Norte e Centro de Moçambique”.

Das Neves referiu-se ainda que o Posto da estrada velha da Matola, localizado na terminal dos autocarros da Empresa de Transportes Municipal da Matola (ETM) o qual entrará em funcionamento ainda este ano e outros dois postos a serem iniciados este ano na cidade de Maputo para além de um Posto em construção ao longo da EN1 em Chicumbane — Província de Gaza.

Outro aspecto não menos importante está relacionado com o incentivo do Governo com vista à massificação do uso do Gás Natural Veicular no país. O Director Executivo da Autogás entende que em todos os países onde o gás natural vincou, houve numa fase inicial incentivos por parte do Estado. Não sendo possível desembolsar valores para o estímulo financeiro, o Estado pode, por exemplo, determinar que, em certas rotas onde o gás já está disponível, os transportes públicos de passageiros e outros só possam ser licenciados se circularem a gás.

A AUTOGÁS é a empresa moçambicana vocacionada na distribuição e venda de gás natural veicular (Gás Natural Comprimido — GNC) no país, com um investimento estimado de 10 Milhões de dólares americanos, que já converteu até ao momento aproximadamente cinco mil viaturas.

Jornal Visão Moçambique
Author: Jornal Visão Moçambique

Jornal moçambicano que inova na maneira de informar. Notícias de Moçambique e do mundo num toque. Digitalizamos a maneira como a notícia chega ás suas mãos e ao bolso através desta camada jovem que faz Jornalismo Social e Responsável.

Jornal Visão Moçambique. 2024 © Todos os direitos reservados.