google.com, pub-7868974546359612, DIRECT, f08c47fec0942fa0 google.com, pub-7868974546359612, DIRECT, f08c47fec0942fa0

Projecto  de  desenvolvimento das Nações Unidas em  Moçambique: Estão em construção  dezassete casas  resilientes, oito escolas primarias e três  mercados  rurais

Os governos, Chinês, de Moçambique  e o PNUD  assinaram na manhã  desta quarta-feira, 10,  um  acordo a recuperação resiliente de infra-estruturas comunitárias e edifícios públicos  após  o ciclone  Idai.

Reportagem 11.11.2021.                                                            Por: NELSA GUILIMA

O representante residente  Adjunto do programa de desenvolvimento das Nações Unidas, Francisco Roquette, disse  em conferência de imprensa que o  projecto de reconstrução pós Idai, faz parte  dos resultados  de um apoio financeiro, totalizando 11 milhões  dólares norte americanos, no âmbito do fundo  de assistência de cooperação  SUL-SUL. As  quatro organizações das Nações Unidas , incluindo o PNUD, contruiram  8 escolas, 3 mercados e novas casas para 17 famílias mais afectadas pelo ciclone Idai.

Roquette disse ainda que através do apoio no valor total de 2 milhões   de dólares, foram  reconstruidas  8 escolas, um  mercado. O valor remanescente também  foi usado  na prestação da assistência médica, produtos alimentares  e outras actividades  humanitárias  realizadas pela  UNFPA, UNICEF E WFP.

Ainda nesta senda de apoios, o Governo Chinês  ofereceu o primeiro donativo de 5739 toneladas  de arroz e 1 milhão  de dólares americanos, e ainda  enviou uma equipa  de resgate  composta  por 65  profissionais  no local do desastre.

Nesse contesto  a parte chinesa  propôs ao quadro das Nações Unidas, duas iniciativas  novas, nomeadamente  o Desenvolvimento Global  e a iniciativa da parceria  para o desenvolvimento  de África, visando fortalecer  a cooperação  com as organizações  especializadas  da Organização  das Nações Unidas juntando concessões da comunidade  internacional  para acelerar a implementação  da agenda  2030 no desenvolvimento sustentável global.

Na sua intervenção, Luís Mandlate, Director Executivo do Gabinete de Reconstrução  pós IDAI, disse que  as infra-estruturas públicas resilientes são  construídas  e actualizadas para restaurar serviços  essenciais, fornecendo educação e serviços socioeconómicos a longo prazo que podem servir de abrigo para populações afectadas por ciclones. As escolas irão beneficiar  5.023 alunos e 92 professores, e os mercados beneficiarão mais de 3.300 pessoas.

Mandlate acrescentou  que  os edifícios terão rampas de acesso  para deficientes e sistema eléctrico via  painéis solares, as salas de aulas  serão equipadas com carteiras, mesas, cadeiras, quadros e um sistema de captação de água da chuva com capacidade3 de 10 litros.

O projecto de reconstrução pós-ciclone Idai faz parte dos deslocadas que vivem no bairro de reassentamento de  Mandruzi, do qual beneficia na sua maioria pessoas com deficiência ou doenças crónicas que são as maiores vítimas.

Comentários do Facebook

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *