Proprietários de bares reagem a cerca do encerramento dos mesmos

Proprietários de bares reagem a cerca do encerramento dos mesmos

Proprietários de bares reagem a cerca do encerramento dos mesmos

Proprietários de bares reagem a cerca do encerramento dos mesmosDepois do comunicado feito pelo Presidente da República, Felipe Nyusi, na passada segunda-feira (30 de Março), decretando-se o Estado de Emergência em Moçambique por um período de 30 dias devido o novo coronavírus, frisou-se a dobra de restrições já anunciadas e uma delas o encerramento dos estabelecimentos de diversão.

A nossa equipa de reportagem não tardou e procurou ouvir os proprietários de alguns bares ao redor da cidade de Maputo e bairros circunvizinhos sobre o que dizem.

Flávio Lixo, é gerente do Bar dos Amigos no bairro Magoanine CMC, na cidade de Maputo. Por aquele local ser um dos estabelecimentos mais frequentados, localizada no terminal de CMC, afirma que vai cumprir com a decisão acrescentando que vai ser difícil ficar com o bar sem funcionar porque aquele era a sua principal fonte de rendimento.

Proprietários de bares reagem a cerca do encerramento dos mesmos“A decisão já foi tomada e deve ser cumprida, tratando-se de um estado de emergência relativamente aquilo que é o Covid-19, que é uma situação preocupante, mas que o importante é salvaguardar as nossas vidas, este negócio é minha principal fonte de rendimento assim como para os nossos trabalhadores porque é disso que eles conseguem se auto sustento”, lamenta.

A fonte diz ainda que, depois das medidas anunciadas pelo MISAU e que já vinha implementando no seu bar, colocando panfletos com informações recomendadas, a redução dos clientes, trouxe uma quebra acentuada naquilo que são as vendas e isso afectou realmente o negócio.

Proprietários de bares reagem a cerca do encerramento dos mesmos“Agora com esta medida vem complicar um pouco a situação dos nossos colaboradores, porque é uma situação que vamos ficar sem receitas e isso implica um esforço enorme da nossa parte”. Acrescentou Flávio.

Para concluir, o Gerente disse que a questão do encerramento do estabelecimento é preocupante, e que a decisão é justa visto que a pandemia já se regista no país dizendo que, não só de dinheiro se vive, mas para ter dinheiro é preciso antes ter saúde, a dele, dos trabalhadores e dos seus clientes.

De igual modo, Celestina Ernesto Manjongota, dona de “Lomba’s Bar” afirma que a decisão já era de se esperar, e segundo ela, com os bares fechados a criminalidade vai aumentar porque a sociedade vai precisar de dinheiro para sustentar suas famílias.

“A decisão Era de se esperar, porque não é só no nosso país que o estado de emergência foi implementado, mas também no mundo fora por conta do coronavírus, eu em particular penso que com este encerramento dos bares durante 30 dias, a criminalidade vai aumentar porque as pessoas estão habituadas a ter dinheiro na mão principalmente aqui na cidade de Maputo, as pessoas vão preferir roubar para sustentar suas famílias”, disse Celestina.

A fonte revela ainda que aquele era o seu único negócio, e que a mesma desempenha um papel de mãe e pai por esta não ter marido e tem filhos e netos por criar, portanto para ela a situação ficará difícil também por conta dos preços elevados dos alimentos que têm se registado.

“O Governo poderia numa primeira fase colocar limites de abertura dos bares por exemplo, dizer que os bares devem ficar abertos das 07 horas até as 19 horas, os que forem encontrados ainda a trabalhar fora dos parâmetros seriam submetidos a uma punição, fazendo isso ajudaria a nós que dependemos disso para sobreviver”. Concluiu Celestina Manjongota.

Por outro lado, Eduardo Maunguelo, também proprietário de um bar, diz que o Governo tinha que anteceder com a decisão para que os mesmos pudessem procurar um outro trabalho para se sustentar no período em que o bar estará encerrado.

“Eu não esperava esta decisão, foi uma surpresa pra mim, isso não quer dizer que critico a ordem do encerramento dos bares, mas o Presidente tinha que antecipar esta decisão, isso para que pudéssemos nos preparar melhor, assim fica difícil para nós porque é deste negócio que nos sustentamos”, lamenta e sugere Maunguelo.

https://jornalvisaomoz.com/tag/estado-de-emergencia-em-mocambique/Eduardo acrescentou que para continuar a sustentar a sua família pretende arranjar um outro trabalho durante o período em que o seu bar ficará fechado.

Os Munícipes da Cidade de Maputo, apoiam a decisão tomada pelo Governo, visto que os bares são um dos locais mais frequentados e que este pode ser o veículo do alastramento da doença.

“A decisão é positiva, num momento crítico em que a epidemia está espalhada em todo mundo, com o encerramento dos bares vai se evitar a propagação do coronavírus porque é um dos lugares em que as pessoas ficam aglomeradas e facilmente podem se contagiar uns aos outros”, disse Osório Adelino, residente do bairro de Albasine.

Proprietários de bares reagem a cerca do encerramento dos mesmosPara Márcia Chiringo, devido a decisão do Estado de Emergência veio complementar e acrescenta que com o encerramento dos bares a cidade ficará limpa porque as pessoas que ficavam nos bares após a sua diversão deixavam garrafas partidas no chão e urinavam nos murros e nas árvores.

“É sabido que muitas famílias sobrevivem de negócios por conta própria, como este dos bares, assim a vida deles ficará complicada porque não terão como se sustentar mas aproveito está para apelar a todos moçambicanos a ficar em casa porque o vírus já se encontra no nosso país, vamos seguir com todas as recomendações que o Ministério da Saúde orientou e assim vamos combater o vírus no nosso belo Moçambique“, realçou Dérica Chichava, munícipe do bairro de Albasine que deixou seu parecer a cerca do encerramento dos bares.

 

MESMO COM A ECLOSÃO DO COVID-19 VIOLADORES DE FRONTEIRAS PARECEM MAIS IMUNES

Toda atualidade sobre coronavírus aqui

374
%d blogueiros gostam disto: