Adolescentes e jovens interrompem seus  estudos justificando pobreza

Adolescentes e jovens interrompem seus estudos justificando pobreza

São vários os motivos pelos quais os adolescentes e jovens abandonam seus estudos principalmente no ensino primário que é gratuito e de caráter obrigatório.

Com o objectivo de analisar  as causas que levam ao abandono escolar, com necessidades e despertar atenção nos pais e encarregados de educação,  o Jornal Visão procurou conversar com alguns professores e adolescentes sobre o assunto.

Em muitas escolas, têm se verificado a cada ano a desistência dos alunos e este fenómeno tem acontecido no segundo e terceiro trimestre, uma vez que só resta um trimestre para o fim do ano lectivo, não se percebendo a real causa motivadora, o que influencia negativamente o plano do governo na redução do analfabetismo.

Em conversa com Adelina Coveque, estudante e mãe de uma menor de 15 anos de idade, natural de Cabo Delgado e atualmente vive em Maputo, conta que o abandonou escolar  está relacionado com a falta de condições financeiras pois, para poder ter acesso ao estudo de sucesso é necessário que a família tenha o mínimo, porque apesar do Estado dizer que até o ensino primário que agora vai até um pouco do ensino secundário é gratuito,  requer por parte do encarregado de educação pagar a taxa de guarda, fixas, testes, comprar uniforme ( todo material didático) e a necessidade de criar renda, para além do consumo de bebidas alcoólicas e outras drogas.

“O arrependimento é profundo,  dor interna, marginalidade,  sem emprego e com futuro lamentável  são as consequências resultantes do abandono escolar”,  relata Coveque.

A fonte refere que as crianças têm desistido mais na 5ª e 6ª classes, contudo outros ao desistir numa classe inferior, ao longo do tempo optam em falsificar um certificado das classes que não enfrentaram para poder se matricular no ensino secundário.

LEIA  Conselho Constitucional dá 131mil votos a Filipe Nyusi

A cidadã apontou ainda que a maior percentagem dos alunos que abandonam os seus estudos é de mulheres devido a sua fragilidade,  sendo assim, necessitam de um acompanhamento por parte dos encarregados de educação e da sociedade.

Para evitar o abandono escolar,  Adelina Coveque, sugere que Governo deve recorrer ao plano antigo de distribuir alguns alimentos para que os alunos tenham acesso à  uma pequena  refeição.

Ela é mãe de uma menina de 15 anos e lamenta bastante a atitude tomada pela filha que abandonou recentemente os estudos na 5ª classe por querer o comportamento dos adultos, tendo optado em fugir de casa e até então ela não sabe o paradeiro dela.

“Actualmente frequento a 11ª claase porque quando era criança tive que abandonar os estudos na 5ª classe por motivos de saúde da minha mãe que sofria de paralisia em 1998, cuidei dela e em 2001 com 19 anos de idade conheci um moço que actualmente é meu esposo, ele vendo de  que abandonei cedo os estudos,  depois de 10 anos incentivou me a voltar a estudar e como desde criança o meu sonho era de ser médica voltei a estudar,  assim dentro de 2 anos irei concluir a 12ª classe e concorer para a faculdade”,  regozija-se.

Em conversa com um jovem que não quiz se identificar, explicou o motivo que o levou a abandonar a escola. Ele, conta que frequentava a 9ª classe e abandou os estudos nos finais de 2019 por insistência dos pais, que alegaram que a escola não tem futuro e que deve ir à machamba, triste, abandonou mas pretende continuar para o ano pois está fazer todo esforço.

Afim perceber ainda mais o motivo do mesmo, a nossa reportagem procurou conversar com uma professora do ensino secundário que não quiz ser identificada. Esta revelou como mãe que o motivo pelo qual leva ao abandono escolar está relacionado as condições financeiras, “porque muitas crianças não têm acompanhamento dos pais, os pais estão empenhados em actividades econômicas ficando assim com pouco tempo para zelar pelos seus educandos”, avançou.

“Como professora, digo que os alunos actuais não valorizam a escola, isso porque o aluno vai a escola de certo modo por obrigação dos pais, não têm objectivos a alcançar.  O contraste de ver roupas com outros colegas sempre em bom estado, sapatos, más companhias e amizades fazem parte do abandono escolar”,  esclareceu.

A fonte diz que outros alunos que se fazem de rebeldes não olham para o professor como o segundo educador, olham como alguém a mais na vida deles e revela que eles desistem mais na 9ª classe porque começam a ter um perfil diferente, querendo enfrentar os professores, pais, experimentando de tudo que é proibido e que não vai de acordo com as regras da escola.

“A percentagem dos alunos que abandonam os seus estudos é relativa porque  a maior desistência é de raparigas  e na cidade de rapazes” avançou.

A fonte frisa ainda que o abandono começa mais no segundo trimestre  porque já começam  a se conhecer melhor criando situações de abandono em grupo.

LEIA  Pela primeira vez, Moçambique organiza 1ª Feira e Conferência Internacional de Educação Online

Ela sugere que haja palestras a nível das escolas,  nível comunitário  pois, de  certa forma pode ajudar a evitar que estas situações aconteçam.

De realçar que as consequências resultantes do abandono escolar são várias  pois para além de afectar o desenvolvimento do país,  as possibilidades de obter emprego são  mais restritas ou quase impossíveis.

Leia mais notícias:

Edição 101 - 10 de Janeiro 2020
709
pt_PT
en_ZA pt_PT
%d bloggers like this: