As doenças mais comuns que poucos conhecem seus perigos

As doenças mais comuns que poucos conhecem seus perigos

A doença mais calma e silenciosa do mundo mas que apoquenta muitas crianças, jovens e adultos e que hoje trazemos sua abordagem chama-se SINUSITE.

Por: Angélica Miranda Rodrigues João

A Sinusite tem uma relação muito forte com a Renite, esta segunda que é um dos sintomas que podem desencadear a primeira. Cerca de 90 por cento dos pacientes que chegam às consultas de doenças respiratórias no Departamento de Otorrinolaringologia do Hospital Central de Maputo (HCM) padecem de renite.

A Renite e Sinusite apesar de ser parecidas em alguns aspectos, têm suas diferenças. Enquanto a renite atinge a mucosa do nariz, a sinusite é a inflamação dos seios da face (ossos que rodeiam olhos, maçã do rosto e testa). A compreensão destas duas patologias respiratórias só é percebida numa explicação de um especialista ou mesmo alguém ligado a área e nossa reportagem busca o entendimento com o Médico Pedro Machava, especializado em Otorrinolaringologia e Director daquele Departamento de Saúde no HCM. Para Pedro Machava por a Cidade de Maputo esta abaixo do nível do mar e pelo nível fréatico que faz-se sentir facilita a ocorrência dessas patologias que afectam as respiratórias altas no caso da Renite, Asma que podem levar a uma sinusite.

Machava explica que a Renite é a inflamação das mucosas do nariz e provoca sintomas como coceira no nariz e nos olhos, coriza, obstrução nasal, espiros e dor de cabeça. Enquanto a Sinusite ou simplesmente Rinosinusite que é associação duma sinusite e renite, não se pode ter uma sinusite sem renite, mais pode se ter uma renite sem sinusite. Para se chegar há um estado de sinusite primeiro deve haver uma renite que vai se complicando com uma sinusite ou que ao associar é chamado de Rinosinusite.

As doenças mais comuns que poucos conhecem seus perigos
Dr. Pedro Machava – Médico Especialista em Otorinolaringologia do Hospital Central de Maputo(HCM), durante a entrevista dirigida por Angélica Miranda

 

O médico otorrinolaringologista acrescentou que a Rinosinusite é uma patologia alérgica que é originada principalmente porque a Cidade de Maputo tem um nível freático abaixo do mar, nesse caso a humidade possibilitando assim a patologia. Por isso a cidade é um factor que predispõe, principalmente quando levamos no nosso código genético que é o mesmo que produz Asma, que dado momento  Renite é chamada de Asma do Nariz.

Respondendo se as mudanças climáticas influenciam na aparição dessa patologia, Pedro Machava disse evidentemente que vai sim influenciar, pois a humidade, a poeira, o polém das acácias, ambiente poluído por diversos factores, facilmente começa a desencadear a criação de estamina no sangue, logo aparece a patologia.

LEIA  No Cazaquistão queda de avião faz 12 mortos

O otorrinolaringologista acrescentou que diante desses factores desencadeados pela renite, pelo ambiente, o primeiro sintoma é abstração nasal, onde o nariz não respira e nem ventila, porque todo o ser humano tem nos narizes duas bolinhas chamadas de cornete que dilatam porcausa desses alergénicos e como resposta do organismo essas cornetes crescem e vão obstruindo a narina, como resultando vão libertando secreções, muco que perante uma renite é uma secreção transparente e começa a estrondar e chama-se reação alergénica.

“Há momentos que a patologia vai agudizando com aparição de dores de cabeça, comichão no nariz, nos olhos, na garganta como se tivesse areia na garganta, significando que estamos perante um processo alérgico, isso é uma renite, pois a mucosa que cobre o nariz é a mesma que cobre a garganta e depois vai ao ouvido”, explica Machava.

Pedro Machava frisou que a patologia só é chamada de renosinusite, quando passa para os seios e torna-se obstrutiva e leva mais tempo. “A mucosa que vai recobrir começa a perder a sua capacidade e vai proliferando e crescendo (o que muitas vezes é chamado de engrossamento da mucosa) como forma de resposta aos agressores ou agentes alergénicos que por estar muito tempo em contacto com os mesmos acaba se comparando com câncer, daí que o quadro torna-se maior além dá obstrução. Também tem transtorno da voz na fala porque a mucosa proliferou e criou pequenos tumores que são chamados de polém”, acrescenta.

Machava diz ainda que esse processo de renosinusite segue fase onde pode se agudizar e que sempre haverá um agente que aproveita a debilidade em que facilmente chegam as infecções, uma virose ou vírus que iniciou com a mucosidade pela má higiene, pela injeção dos dedos no nariz, uma vez que as mãos estão cheias de bactérias que são da flora normal e que se forem a parar num meio favorável tornam-se violentos e daí que as secreções que saem já não são com a coloração transparente, mas sim amarela ou verde significando que já existe um componente bacteriano, sendo essa uma fase aguda que precisa de antibióticos para combater, porque normalmente a renite ou renosinusite ou ainda polípolidéia que é a inflamação da mucosa não se receite antibióticos, só é necessário antibióticos quando já há um componente bacteriano.

LEIA  Fórum Mulher capacita utentes do bairro de Malhazine

Questionado sobre a alimentação que deve ou não ser digerida por alguém que já tenha uma renosinusite, Pedro Machava referiu que depende de cada paciente de como vai reagir porque pode ter uma renite, ou renosinusite ou polípolidéia e não ter alergia aos mariscos, aos carbohidratos, por exemplo, mas em alguns casos algumas pessoas com renite ou renosinusite tem alergia aos mariscos.

Respondendo sobre o nível de entendimento da sociedade sobre essa patologia Pedro Machava disse o cidadão pensa que tudo é sinusite mas na verdade ainda é renite.

A renosinusite é diagnosticada pelo médico por certos exames que são feitos, o primeiro simples que é a rinoscopia, e os complementares que são radiografias, os raios x, tomografias que são computalizados, e esses é que vai determinar se os seios estão invadidos e onde pode-se dizer que há uma sinusite. “Torna-se renusite depois de ser visto pelo médico, ter feito exames físicos e exaustivos da especialidade e ter feito as imagem radiológicas que vão confirmar a invasão dessas cavidades anexas chamadas seios, só assim estamos perante a um paciente com sinusite ou renosinusite”, relatou Machava.

O Otorrinolaringologista explana que esta patologia é realmente uma pedra no sapato, sendo de origem hereditária, uma utopia que passa de família em familia, sendo uma codificação genética e os médicos apenas dão a qualidade de vida, “curar, em nenhuma parte do mundo, mas sim damos a melhor qualidade de vida para que o paciente viva sem crise”, esclarece Machava.

O especialista disse ser importante que se tenha alguns cuidados perante essa patologia pois é preciso ter uma boa qualidade de vida, higienizar o ambiente onde vive, não pode haver animais de estimação (cão e gato), não pode usar alcatifa, não pode varrer só, limpar com pano húmido, porque ao varrer vai poluindo e com facilidade vai inalando aquele pólen e começa a desencadear a patologia, a roupa de cama deve ser trocada duas vezes por semana, no inverno não pode usar manta mas sim dové. “Com o desenvolvimento da ciência existem colchões anti-alérgicos, almofadas anti-alérgicas, isso é um investimento que deve ser feito na qualidade de vida que a pessoa deve ter”, frisa.

LEIA  GRAÇA MACHEL DIZ QUE EM ÁFRICA OS DIREITOS DA CRIANÇA AINDA SÃO VISTOS COMO TABU

Mais adiante Pedro Machava, explana que se a patologia estiver no estado agudo é importante ir ao médico, só assim poderá indicar certos medicamentos capazes de controlar a estamina aos níveis normais do organismo, mas, esses cuidados são de  normalmente não usar ventoinha, podendo usar ar condicionado mas com filtros limpos em síntese é saber investir em si ou na sua saúde, a roupa deve ser 100% algodão, “com isso digo que há muita coisa no meio, sendo que cuidando como deve ser não vai desencadear nenhuma patologia renisinozal. Portanto a pessoa leva estamina no sangue, mas fica controlado porque a pessoa não entra em contacto com os alergénicos, mantêm-se higienizado o ambiente naturalmente que não desencadeia a patologia”, frisou.As doenças mais comuns que poucos conhecem seus perigos

Para evitar a sinusite na sequência de uma alergia ou constipação é importante recorrer a descongestionantes orais e não a sprays nasais. Se estes forem utilizados convém que o sejam durante curtos períodos de tempo. O ato de assoar deve ser delicado, para evitar que as secreções possam subir em vez de descer.

É também importante a ingestão de muitos líquidos para manter as secreções nasais mais fluidas e evitar viagens de avião.

Na presença de alergias, será importante uma consulta de Imunoalergologia para se tentar detectar quais as substâncias que as desencadeiam e para que se possam instituir os tratamentos adequados.

É importante evitar todas as formas de poluição atmosférica, não colocar os dedos nem objetos estranhos no nariz, evitar ar muito frio e húmido ou ar muito seco) e assoar-se com regularidade.

Para alguns pacientes com sinusite, os tratamentos termais apresentam excelentes resultados, sendo importante avaliar o seu interesse em conjunto com o médico. As “vacinas” aumentam a imunidade face a diversos agentes bacterianos e a vacina da gripe anual é importante para alguns grupos de pessoas.

A Sinusite é uma das mais faladas e menos conhecida na sua íntegra pois, de que há divisões para se chegar a essa patologia quase ninguém sabia. A seguir trazemos depoimentos de pessoas que sofrem de sinusite que vão contar na primeira pessoa o que passam no dia-a-dia e como superaram a doença.

918
pt_PT
en_ZA pt_PT
%d bloggers like this: