INE divulga  dados finais do inquérito dos agregados familiares

O instituto nacional de estatística (INE) realizou nesta sexta-feira (24) a apresentação pública dos resultados finais do inquérito sobe os orçamentos familiares – operação estatística realizada em 2019-20.

O inquérito sobre o orçamento familiar realizado entre 2019/20 é uma pesquisa por amostragem probabilística, estratificada e multi-etápica baseado na amostra mãe 2017-2026 elaborada a partir dos dados e cartografia do recenseamento geral da população e habitação 2017.

O IOF 2019/2020 teve como objectivo obter informações sobre à natureza e o destino das despesas de consumo, bem como informações sobre diversos recursos relacionados com as condições de vida dos agregados familiares.

O presidente do Instituto Nacional de estatística(INE) Elisa Magaia disse que dos 13 656 agregados familiares estimados para o inquérito a taxa de cobertura foi de 97,7% que corresponde a 13 343 agregados familiares inquiridos.

 “Em relação ao anterior IOF realizado em 2014/15 a taxa de emprego passou de 67.2% para 74.8% a taxa de desemprego reduziu de 20.7% para 17.5%, a taxa de analfabetismo passou de 44% para 39.9%, a percentagem de agregados familiares que usa água de fonte seguras para beber passou de 50.3% para 55.7%, na área de saúde a satisfação em relação ao uso dos serviços de saúde passou de 53.0% para 59.8%. Contudo a demora no atendimento é reportado como um dos grandes problemas nos serviços de saúde e o acesso à energia para iluminação passou de 24.8% para 30.1%”. Frisou a fonte

O mesmo foi mais além ao destacar que a receita média mensal por agregado familiar estimada em 8 916,00 meticais em temos nacionais. Em termos per capita os dados mostram que a receita mensal situou-se na casa de 1 946,00 meticais as províncias de Tete, cidade de Maputo e Província apresentam os níveis mais altos enquanto as provinciais de Gaza, Cabo delgado e Zambézia registaram níveis mais baixos.

” Os dados do IOF revelados em 2019/20 revelam que os agregados familiares residentes no país tiveram em média um gasto mensal de 8 108.00M o que equivalente a 1 695,00MT por pessoa, os mesmos dados revelam um aumento significativo quando comparados com o IOF 2014/15 a despesa média foi de 6 924,00MT e a per capital foi de 1 406,00MT”.disse o Presidente

De realçar que o presidente do INE foi mais além ao frisar que olhando para as despesas médias por área de residência a média mensal da área urbana situou-se acima da média nacional com 12 587,00MT e a da área rural abaixo com 5 714,00MT refira-se que a despesa média mensal era de 11 889,00MT e da rural 4 654,00MT.

“Em termos de despesa per capital por área de residência os dados do IOF 2019/20 mostram que para a área urbana foi de 2 606,00MT e a da área rural, abaixo com 1 207,00MT, no IOF 2014-15 a despesa per capital da área urbana foi de 2 360,00MT e da área rural foi de 956,00M”.terminou

Vale lembrar que os dados que foram apresentados servirão de base para a produção do relatório da avaliação da pobreza a ser produzido pelo ministério de economia e finanças. 

 

 111 

Comentários do Facebook

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.