Associação Rede dos Direitos Humanos diz que a subida da tarifa do chapa 100 em Maputo é inconcebível neste momento

A cidade e província de Maputo estão a viver desde 2 de Janeiro uma nova situação em relação ao transporte semi-coectivo de passageiros cuja tarifa foi agravada em valores que variam entre 2 a 3 meticais. Nesta senda, na manhã desta terça-feira a Associação Rede dos Direitos Humanos(ARDH), apresentou a imprensa uma carta de impugnação contra a aprovação pela Assembleia Municipal de Maputo, o aumento do preço das tarifas de “chapa 100”.

“Ninguém deve tomar decisões pelo povo que não o beneficia” – Sérgio Matsinhe Presidente da ARDH

 

 

 

 

 

Segundo explicou Sérgio Matsinhe Presidente da ARDH, o aumento da tarifa não é consensual para os munícipes afectando não só a cidade de Maputo mas também a província e outras autarquias, sendo por isso que denuncia à Ministra da Administração Estatal e Função Pública para que esta entidade revogue a Lei e mandar devolver a Assembleia aos transportadores para que discutam e encontrem soluções que não impliquem custos adicionais aos cidadãos.

Por outro lado, aquele líder da associação que defende os direitos humanos dos cidadãos avançou que a impugnação visa impedir que as instituições públicas transformem-se em lugares para oprimir o povo e delapidar as economias conseguidas a custos e sacrifícios tenebrosos e de grandes esforços.

[cpm-player skin=”device-player-skin” width=”100%” playlist=”true” type=”audio”] [cpm-item file=”https://jornalvisaomoz.com/wp-content/uploads/2022/01/Agostinho-Associacao-Rede-dos-Direitos-Humanos.mp3″]Agostinho – Associação Rede dos Direitos Humanos[/cpm-item] [/cpm-player]

282
Sobre o autor: Redacção do Jornal Visão Moçambique
Jornal moçambicano que inova na maneira de informar. Notícias de Moçambique e do mundo num toque. Digitalizamos a maneira como a notícia chega ás suas mãos e ao bolso através desta camada jovem que faz Jornalismo Social e Responsável.
Compartilhar isso

Comentários do Facebook

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: